quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Etnia e Educação Física: Responsabilidade Social da/na Escola



José Evaristo Silvério Netto

(submetido para publicação no jornal Oeste Noticias – Presidente Prudente, 14/11/2010)

A educação comumente é relatada como um meio de emancipação de um povo, um meio pelo qual as pessoas podem melhorar sua condição de vida, e se conscientizar do mundo que esta à sua volta. Porém, na educação formal, os temas polêmicos e estruturantes da sociedade são pouco ou nada discutidos. Temas como machismo, homofobia, racismo e preconceitos correlatos, não fazem parte do conteúdo ministrado pelas(os) professoras(es) da grade curricular para se trabalhar noções de cidadania. Poderíamos perguntar: se estes temas não são trabalhados na escola, a escola emancipa, conscientiza, e forma cidadãos críticos? Como a escola, e em especial a Educação Física Escolar, poderia trabalhar nesta perspectiva?

Vivemos em uma sociedade pluricultural e pluriétnica, onde é notório que alguns grupos não possuem as mesmas oportunidades do que outros. Uma sociedade desigual, onde pessoas que pertencem aos grupos étnicos negros e indigenas, não gozam das mesmas oportunidades sociais de pessoas que pertencem a outros grupos.

Esta desigualdade de oportunidades se manifesta em todas as esferas da sociedade, desde o trabalho, onde pessoas negras são discriminadas nas entrevistas e, geralmente possuem menor salário mesmo apresentando a mesma formação e estando no mesmo cargo que seus pares não-negros, só para citar dois exemplos, passando pelo estudo, até as manifestações mais expressivas de intolerância como são os casos de agressão (abordagem polícial, grupos neonazistas, ofensas verbais, etc..), assédio moral, e os casos de racismo no futebol, para citar um exemplo no esporte.

Estas e outras questões sobre o papel social da escola suscitaram a criação dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), inspirado no modelo educacional espanhol, com a função de auxiliar a elaboração dos currículos dos estados e municípios, incentivando a discussão pedagógica interna às escolas e elaboração de projetos educativos, entre outras atribuições. Uma outra ação, fruto da luta dos movimentos sociais por direitos humanos, principalmente os movimentos anti-racistas, foi a criação das leis 10.639/03 e 11.645/08, alterando a lei das diretrizes e bases da educação nacional (LDB), tornando obrigatória a inserção no curriculo oficial da Rede de Ensino a temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena” de maneira positiva e não-estereotipada.

O professor na Educação Fìsica Escolar deveria explorar as potencialidades e capacidades de expressão do corpo das crianças. Este mesmo corpo que é alvo de preconceitos, estígmas, estereótipos, discriminações, violências e intolerâncias correlatas que provocam diferenças de oportunidades de inserção no tecido social, nas suas diferentes esferas. A pluralidade cultural e étnica deve ser matéria nas aulas de educação física, e uma das muitas maneiras de se trabalhar com este tema é por meio das “manifestações da cultura corporal”, utilizando danças, esporte, lutas, jogos de rua, e outras linguagens culturais.

Embuido desta responsabilidade, a(o) professora de educação física pode estabelecer diálogo com centros de educação não-formal, como é o caso das Associações de Capoeira, Escolas de Samba, Comunidades Étnicas, e Movimento Hip-Hop, entre muitas outras entidades sociais, para durante sua aula, trabalhar com estes conhecimentos não-formais, ressignificando-os dentro do seu objeto de estudo, a Cultura Corporal. Poderiam ser realizados eventos com representantes destas estidades sociais, com evolvimento dos pais ou familiares dos alunos, no sentido inclusive de ampliar o papel da escola, conscientizando e informando não só seus alunos e alunas, mas a familia destes.

Voltando a pergunta no inicio deste texto “...Como a escola, e em especial a Educação Física Escolar, poderia trabalhar nesta perspectiva?” a resposta nos parece importantíssima, e remete à responsabilidade social da Educação Física em trabalhar com a pluralidade étnica na escola.

Alinhar à direita

Um comentário:

Edna Corsi disse...

Excelente blog! Só a título de curiosidade há um agregador de conteúdos chamado Agrega Pais, que é voltado para pais e mães (mas é tão versátil que acaba tendo audiência da família toda, pois, vai dos blogs de mães até blogs geeks ou sobre mma) uma ótima forma de divulgar seu site para um público bem específico que no geral está adentrando a internet e uma forma de virar referência para este público.
http://agregapais.com.br/